Blog

Criatividade . Empreendedorismo . Marca Pessoal

O que é uma marca pessoal?

Alguma vez paraste para pensar sobre como gostavas que os outros te vissem? O que gostavas que dissessem sobre ti quando não estás presente? Como gostavas que entendessem o que fazes, o que dizes, quem és?

Tudo à nossa volta é percebido por meio dos sentidos, à luz da nossa experiência, do que conhecemos, do que nos foi ensinado, do que recebemos como cultura.

Tudo o que existe transporta uma mensagem, um conjunto de ideias, uma imagem. Tudo é fruto de memórias e associações.

Estes processos mentais são tão automáticos que nos passam ao lado. São rotina. No entanto, tornam as decisões mais rápidas e a nossa comunicação lógica.

Por exemplo: quando ouves ou lês a palavra “carro”, automaticamente, a tua mente cria uma imagem, uma expectativa. A palavra por si só não significa nada, mas à luz da tua experiência surge logo numa ideia. Certo?

Apesar de não visualizares um carro específico, no teu pensamento surge uma imagem ilustrativa e simbólica do que é um carro, do que significa essa palavra.

Por esse motivo, é possível aprendermos diferentes línguas. Não importa se ouves carro, car ou coche – compreendes o sentido da palavra por meio de uma imagem comum.

O mesmo acontece quando conheces alguém. Em segundos, transformas observações em opiniões.

Já ouviste a expressão “julgar o livro pela capa”, right?

É isso. A pessoa chega e quase que instintivamente construímos uma opinião, meramente sustentada pela sua aparência, estilo, postura, linguagem, tom de voz, expressões, gestos, (…) – em suma, pela sua imagem.

Há uma enorme probabilidade de erro? Óbvio que sim, mas é a natureza humana. É intuitivo, instintivo, automático.

A nossa imagem é tão poderosa quanto as imagens que constituem o mundo à nossa volta.

Concretizando…

  • Cristiano Ronaldo
  • Cristina Ferreira
  • Steve Jobs
  • Barack Obama

Estes nomes dizem-te algo? Deduzo que sim.

Só com o nome, aposto que surgem inúmeras ideias. Certamente, tens algo a dizer sobre cada uma destas pessoas. No entanto, vai na volta, nem as conheces pessoalmente, mas tens uma opinião sobre elas. Certo?

Intencionalmente, estas pessoas têm comunicado de forma clara e consistente uma história, valores, verdades e até o seu propósito de vida.

Gostando mais ou menos, a todas elas associamos uma imagem de sucesso, de verdadeiros rockstars do desporto, da televisão, da tecnologia e da política. Imagem esta que surge por terem feito um bom trabalho na construção da sua marca pessoal.

Estes nomes transmitem mensagens, que por sua vez nos conduzem a ideias e que nos levam a formular opiniões.

Ou seja, podemos concluir que a marca pessoal não se resume à primeira impressão, “à capa do livro”. A construção de uma marca pessoal permite às pessoas somarem diversas impressões e formularem opiniões mais concretas, detalhadas e aprofundadas – que vão muito além da imagem da pessoa, do seu nome ou até mesmo da sua profissão.

Porque preciso pensar na minha marca pessoal?

Sejas empreendedor(a), freelancer, estudante ou trabalhador(a) por conta de outrem, construíres uma marca pessoal vai ajudar-te a transformar o teu nome numa referência. Vai destacar-te no meio da multidão, transformando-te numa preferência.

O grande objectivo do personal branding é a construção de uma boa reputação.

Personal Branding é a construção de uma marca pessoal tal e qual como queremos que seja percebida pelo mundo.

Ou seja, é o que queres que digam sobre ti quando não estás presente.

A boa notícia é que podes construir tudo isto através das tuas redes sociais, de um blog, dum canal de YouTube. Através do teu computador, telemóvel, tablet. Onde estiveres, quando quiseres.


Agora diz-me: já imaginaste o impacto que isto pode ter na tua vida profissional? Os resultados que te pode trazer?

  • Se és estudante … podes garantir oportunidades profissionais ainda antes de terminares os estudos – uma vez que já provaste o teu conhecimento, já construíste uma imagem positiva, uma boa reputação. No fundo, já sabem quem és, já te conhecem e confiam em ti.
  • Se és trabalhador(a) por conta de outrem … podes encontrar novas oportunidades de trabalho, ascender na carreira, ganhar visibilidade no mercado em que actuas, ser uma referência na tua área profissional. Quem sabe até encontrar outras fontes de rendimento, paralelas e complementares ao que já fazes actualmente.
  • Se és empreendedor(a) com uma empresa constituída ou freelancer de carreira … acho que nem preciso dizer-te o quanto isto é essencial, fundamental, imprescindível. Preciso? Tu és o que vendes. Tu vendes o que és. As pessoas confiam em pessoas, compram o que lhes soma valor, inspira credibilidade, o que tem boa reputação. Pensa na Apple, pensa no Steve Jobs. Um rosto, uma pessoa, torna a marca mais humana, mais real, mais inspiradora, mais próxima. Durante muito tempo o Steve Jobs foi a Apple e a Apple foi o Steve Jobs.
  • Se és blogger, youtuber, instagrammer, influencer, criador(a) de conteúdo … é fundamental que entendas como o teu público te vê, que mensagem transmites, o que representas, o que dizem sobre ti . Assume o controlo da tua própria marca e define como queres que te vejam.

No fundo,

Torna-te um(a) rockstar.

Ganha consciência de ti, da mensagem que queres transmitir, da imagem que queres passar, ganha confiança no papel que representas.

Brilha e deixa a tua marca no mundo.


Gostas deste tipo de conteúdos?

Deixa o teu feedback nos comentários e fala comigo nas redes sociais.

Gostaste do texto? Partilha-o.

Marca Pessoal, Personal Branding

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Segue-me nas redes sociais.